A situação é perfeitamente estúpida, ou melhor, é uma situação inaceitável causada pela estupidez em nome de uma “liberdade” que só acaba por prejudicar muita gente.

O sarampo, depois de considerado erradicado, está em crescimento nos EUA devido ao crescimento de um movimento anti-vacinas que oscila entre posições de cepticismo ignorante quanto à sua validade e os preconceitos nascidos de uma pretensa cultura médica.

A busca de popularidade junto de sectores radicais que vivem num mundo de aparentes superstições quasi-medievais leva políticos experientes a dizer completos disparates sobre a liberdade dos pais decidirem se os filhos devem ser vacinados e depois a voltar atrás.

E é este o problema de levar determinados argumentos de autoridade, alegadamente em nome de valores inquestionáveis como a liberdade, a um excesso inaceitável. Porque essa pretensa liberdade de “escolher o melhor para os filhos” pode acabar a provocar o desnecessário regresso de doenças que o avanço da Ciência exterminou.