O negócio dos pareceres jurídicos para organismos públicos é um manancial enorme, desde organismos centrais a “entidades” autónomas, passando pelas autarquias.

Quase sempre alegando “falta de recursos próprios”.

Anúncios