… mas é uma enorme treta e nem sequer se resolveu com a maior “autonomia” dos directores.

O processo de substituição de professores em situação de atestado é tão tau mau ou pior do que já foi, pois entre a publicitação do horário e o processo de aceitação ou não, se o atestado for de 30 dias, chega o novo professor quando o anterior já está quase de volta.

É estúpido, sim senhor, os principais prejudicados são mesmo os alunos, mas o MEC prefere engalanar-se com chavões destituídos de qualquer substância, porque é difícil ter-se substância quando se desconhece o essencial e se prefere ocupar-se com o acessório.