Adoro sempre que a Confap e a Fenprof se reúnem e afirmam estar de acordo, quando depois se sabe que nada de concreto e efectivo sai dali. Não é a primeira vez, não é a quinta, não é a décima nos últimos anos em que encontramos a enunciação de preocupações similares, a que se seguem práticas completamente divergentes.

Os representantes das Associações de Pais criticaram o “estado cristalizado” nos procedimentos e metodologias do sistema educativo que deve ser repensado perante os sucessivos maus resultados.

E se a Fenprof adiantou que, este ano letivo, quer “fazer uma marcha em defesa da escola pública que una professores, estudantes e pais numa só voz a dizer que a educação tem uma importância muito grande”, já a Confap defendeu que, “em vez de pensar numa marcha ou manifestação ou greve”, os profissionais de educação deveriam “convidar toda a comunidade para um debate”, num “grande evento que falasse ao ministro” da tutela.

Já agora, uma coisa… o que é que o representante da Confap entende por maus resultados? Subida nos testes internacionais no desempenho dos alunos portugueses ao longo das últimas décadas? E uma subida que, quando se fazem comparações internacionais e se retiram os truques estatísticos eleitoralistas, é das mais elevadas e constantes?

Sobre a cristalização, eu teria uma ou duas coisas a dizer sobre a forma como algum associativismo parental me parece ter entrincheirado mais do que cristalizado.

Quanto ao evento para falar ao ministro da tutela (a Confap adora estas coisas em que se possam fazer seduções ao poder), não se percebe se é aquele que está de saída e nem sequer compareceu a um debate promovido pelo Conselho de Escolas sobre a municipalização e quero quase apostar que dificilmente aparecerá no do Conselho Nacional de Educação ou só irá se for quase obrigado, pois detesta ter de ouvir coisas desalinhadas.

 

Anúncios