… que a falhada reforma da estrutura municipal portuguesa que este desgoverno pretendia e chegou a anunciar (perante o meu profundo cepticismo quanto à capacidade para a fazerem, para além de fecharem Juntas de Freguesia) se transforme subitamente no seu oposto, a saber, o reforço dos poderes e competências dos municípios.

O que estava mal e errado transformou-se, por artes de magia cinzenta, na solução para o país e o “modelo certo”.

Ler uma longa prosa de Duarte Marques a tentar fazer-nos esquecer isso é mesmo só para masoquistas.

A única parte boa é que parece que ele já escreve com o corrector ortográfico e sintáctico ligado.