Foram as palavras que mais me ocorreram para um pequeno depoimento, gravado no fim da semana passada, que talvez surja no enquadramento do debate de hoje à noite na SICN com o actual MEC e alguns dos seus antecessores, não sei exactamente quais (há sempre a possibilidade do inefável Couto, aquele que tem o maior desfasamento entre o que fez e o que pensa que fez).

A verdade é que o “mais com menos” e o “sangue novo” que estaria para vir para as escolas foram sempre fórmulas bacocas e vazias de substância, excepto no que se refere a esgotar por completo quem ainda tenta ter um mínimo de profissionalismo nas escolas.

Quem tinha idade ou condições para se aguentar com uma aposentação duramente amputada, foi-se embora. Sobre o anedótico processo de rescisões, nem é bom falar. O “sangue novo” das vinculações extraordinárias trouxe umas centenas de colegas praticamente com a mesma idade dos que já estavam nos quadros. Os contratados, em grande número, andam em duas ou três escolas para conseguirem acumular horas e tempo de serviço.

Acredito que nada disto, ou muito pouco, venha a ser aflorado esta noite, pois @s ex-ME(C) formam uma espécie de confraria em que as diferenças são muito menores do que as afinidades e os seus “fantasmas”: a máquina monstruosa da 5 de Outubro, o poder dos sindicatos, o corporativismo dos professores, a centralização do sistema. Tudo tretas, mas que são apresentadas como falhas “sistémicas” que se andam a corrigir há 20 anos.

O problema é que quase tod@s os que passaram pelo cargo acabam por confluir numa série de chavões, sendo que o que está agora em acelerado progresso é o da “descentralização” que se quer fazer passar por sinónimo de “municipalização”.

Articulá-lo com”autonomia das escolas” é um ovo de Colombo, mas um ovo de avestruz obesa ou a quadratura de um triângulo. É simplesmente uma impossibilidade.

E falar de “proximidade”, de “legitimidade democrática” dos autarcas (quando foram eleitos, sabia-se disto? sabia-se quem seria o vereador da Educação?) é a chapa cinco do momento. Invocar “o interesse dos alunos”, o recurso retórico com barbas por fazer que já atinge a obscenidade política e serve para tudo, em especial quando é para dar a entender que os professores estão contra esses interesses.

Que Nuno Crato vai passar por este debate com poucos danos e sem mostrar que ainda está a milhas de perceber o que andou a fazer e a deixar que fizessem, estou mais do que certo. A cortesia, na hora da saída, tem muito encanto e a vidinha é assim, pois todos acabarão por se cruzar aqui ou ali e é feio apontar dedos que podem ricochetear.

Que se lixem os mexilhões.