Penso que já todos (ou quase, porque há sempre distraídos) sabem que a legislação aplicável foi criada pelo próprio Sócrates.

O que torna ridículas certas queixas histriónicas a invocar em vão o epíteto de PIDE para aqui e para lá. Quando a coisa foi aprovada em Março de 2011, ninguém se chateou com os direitos de milhares de reclusos, desde logo em relação à comida, que se tornou um indigno negócio nos estabelecimentos prisionais.

Mas isso não justifica as baboseiras do Lourenço de serviço que só escreve o que escreve porque existiram anti-fascistas que lutaram pela recuperação da liberdade de expressão em Portugal, de que ele desfruta para dizer o que bem entende, incluindo criticar dia sim, dia sim, os gastos do sector público, enquanto anda a chuchar na RTP.

Portanto, tenha ele razão ou não nos aspectos específicos desta questão, a forma acintosa como a enuncia é própria de uma criatura do reino animal com muitas bossas e pouco pêlo.

No meu caso, estou farto de pós-graduados da treta em económico-vassoureiras, como bem dizia o saudoso solnado.