Discricionariedade concursal – situações iguais com tratamentos desiguais?