Na mesma nota, a PGR esclarece ainda que “a magistrada do Ministério Público, Maria José Morgado [directora do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa], em momento algum da participação recebida do Ministério da Justiça é indicada como suspeita”.