Quando um cidadão português preenche o IRS, no meu caso, tenho de indicar a remuneração-base de 3 091,82 e não os 2 870,00 que correspondem à realidade salarial do trabalhador.

Como se pode proceder de forma a que milhares de cidadãos vejam reposta uma forma simples de “justiça fiscal” que diga respeito a tabelas salariais verdadeiras e não a tabelas salariais antigas, virtuais, falsas?

(…)

Uma coisa é pagar todo o género de taxas + ainda a  da ADSE calculadas sobre remunerações ilíquidas de3. 091 euros x 14 meses = 43. 274  euros (remunerações que foram reduzidas em Dezembro de 2013, em decreto, de 3 091 euros para 2 870 euros) e outra completamente diferente é pagar todas as taxas sobre o valor de 2. 870 euros  x 14 = 40. 180  euros.
 –
Se todos fizerem as suas contas, chegam a valores ‘surreais’ de taxas.