Chovem colocações, porque chovem repetidas. Deve ser para assegurar a liberdade de escolha aos professores.

Assim é fácil “colocar” 800 ou 8000 professores.

Só é chato porque por cada colocação multiplicada, há turmas que continuam sem professores mais uns tempos.

Isso explica que António Santos, professor de Geografia, residente no Porto, tenha tido a surpresa, esta manhã, de ficar colocado em sete horários, a maior parte dos quais completos (com 22 horas lectivas) e anuais (até 31 de Agosto). Pode, assim, escolher entre escolas situadas em Guimarães, Cinfães, Porto, Marco de Canaveses, Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Gaia, e Póvoa de Varzim. Como só escolherá um, os restantes ficarão vagos até que seja colocado um novo professor. E, assim, as turmas das outras seis  escolas continuarão, pelo menos no início da próxima semana, sem docente de Geografia.  

O Arlindo está a fazer o ponto da situação.