Os dados da primeira tabela e do primeiro gráfico aglutinam os 1º e 2º ciclos, algo que pode distorcer de algum modo a especificidade de cada ciclo.

No entanto, comparando com o resto dos países europeus analisados (sim eu sei, no extremo oriente e em Israel eles encaixotam os alunos nas turmas…), verifica-se que a média de alunos no CITE1 (1º e 2º ciclos) é mais alta do que em 12 outros países e mais baixa do que em 8, ficando abaixo da média global da amostra, enquanto no CITE2 (3º ciclo), apenas 3 países têm turmas maiores, em média. O que deita abaixo certas conversas de café ou tertúlia.

CNETurmas

Os dados que se seguem referem-se ao número de turmas por número de alunos. Para quem costuma dizer que o limite de 30 está longe de ser atingido, é interessante perceber que 35% das turmas tem 25 ou mais alunos e que há mesmo quase 4% de turmas com o limite legal de alunos ou mais.

Já as turmas com menos de 10 alunos (as que devem fazer as delícias dos viciados em rácios alunos/professor) são menos de 2%.

CNETurmas1Agora uma questão lateral… se o CNE consegue compilar e publicar estes dados já para 2014, porque é que o MEC dificilmente “liberta” este tipo de informação sem passar um ano ou dois?