O secretismo em torno do total de pedidos de rescisões, dos montantes envolvidos, dos critérios efectivamente usados para as decisões, do que se pretende fazer após a aceitação ou não dos que foram bafejados com um deferimento.

O atraso em fornecer dados concretos sobre os docentes colocados nesta fase dos concursos (a anota de imprensa saiu já noite cerrada), parecendo que esperam para ver primeiro as tabelas do Arlindo, para terem a certeza de terem feito bem as contas.

Implosão dos meios técnicos?

Incompetência da coordenação?

Desleixo?