Não é feitio, é defeito, mesmo.

Não me apetece ir para uma praia pejada de gente como o metro em hora de ponta, com o argumento que são férias, todos estamos bem dispostos e é muito interessante falar e conhecer a opinião dos outros.

Admiro quem pensa assim (é mentira, não admiro nada), mas não é essa a minha praia.

Nem é aquela em que um tipo (ou leidi) chega à praia e, por pouca gente que tenha, começa logo a tentar dominar o ambiente, conhecer quem está, entabular contacto e converseta de ocasião, porque comigo acaba em solilóquio, a menos que o bocejo não seja suficiente para a coisa nem chegar a tanto.

Ainda se fosse para falar do divórcio do Tony Carreira…