Já tinha percebido, mas agora confirmei, que a generosidade no final do 3º período com os meus alunos “regulares” acabou por provocar um desgraçado desvio em relação à avaliação externa que, apesar de não ser má, esteve longe de ser boa.

E eu não fujo ao prometido balanço final e às responsabilidades próprias.

Já há uns anos me tinha acontecido coisa parecida.

Só não aprende com os erros, não detectando onde falhou, quem é mesmo burro.

Ora… eu posso ser camelo, mas asno só às vezes e não gosto de repetir-me.