Iavé estava pior do que estragado com a Criação, pelo que decidiu desentropiar a cena. Vai daí, fez um «puff».

“Vai o Tanas!”, resmungou Janasiu, acabadinho de chegar com um camelo novo.

“Sobra sempre p’ra mim!”, esganifou o Tanas, “mais um camelo para tosquiar? Peçam ao Lucicrato, já que lhe deram asas!”.

Lá em baixo, mais abaixo ainda, os Farinientes do Templo concordaram e atribuíram essa culpa a um certo Fafe que ainda não estava escrito que não era dos Fafes de Alpiarça.

“Calou, pessoal!”, pufou Iavé, “determinei que será Lucicrato a apresentar-vos as Tábuas da Ordem, todas impressas em 3D!”.

E ele veio, pairou como naqueles filmes em que a malta  se diverte com os efeitos especiais, com molas chinesas nas narinas – por causa dos pufes –  e chiou: “Eis as tábuas!”.

Fartote de rir, as tábuas eram rasas!

E mais uma vez Iavé foi grande. Grande e único.