Segunda-feira, 9 de Junho, 2014


Siouxsie & the Banshees, Kiss Them For Me

a última aula ou um teste final…

E em inglês ele nem pausa.

FMI faz storytelling com Gaspar, que está entusiasmado

O FMI é multimédia: pegou no novo diretor do Departamento de Assuntos Fiscais e fez uma narrativa digital compostinha.

Notícia original com a narrativa digital:
.

IMF Must Contribute to Global Fiscal Policy Debate

Com o número de alunos em queda e a necessidade de cortar na despesa, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) decidiu que vai deixar de financiar 64 turmas ao abrigo dos contratos de associação no próximo ano lectivo. A associação que representa o sector vê a medida com “desagrado” e diz que objectivo é poupar cerca de “cinco milhões de euros” por ano.

Segundo informou o Ministério de Nuno Crato “caso o total de turmas não atinja a redução de 64, o financiamento anual por turma será progressivamente reduzido, do valor actual de 81.023 até aos 80.105 euros, valor que se atingirá se se verificar que foram constituídas apenas menos 44 turmas”. Este é de resto o número mínimo de turmas a encerrar obrigatoriamente a partir de Setembro.

O director executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo, Rodrigo Queiroz e Melo, vê com “desagrado” a medida e embora tenha admitido ao Negócios que “há ajustamentos a fazer”, frisa que esse “não parece ser o caminho certo para o aprofundamento da liberdade de escolha da escola” que o próprio Governo defende.

Rodrigo Queiroz e Melo avançou ainda que no ano anterior, fruto da demografia, já houve uma redução natural de 29 turmas e lembrou os sucessivos cortes nas transferências nos últimos anos, “muitíssimo superiores ao ajustamento do orçamento do Ministério da Educação”. “É como se nos estivéssemos a afogar e o nadador-salvador nos fizesse amonas e afundasse mais”, ilustrou.

Finalmente, uma medida racional do MEC nesta matéria.

Porque a liberdade de escolha é toda uma outra coisa…

Claro que a vingança é despedir professores, porque reduzir as mais-valias é que não…

Mesmo se a redução em termos de valores (5 milhões de euros), seja bem abaixo dos 5% do nicho de mercado em causa…

Já posso desfrutar do feriado do 10 de Junho, felizmente longe da Guarda, não cidade propriamente dita, mas mais pelo desfile de medalhados que me fazem sempre lembrar aqueles generais terceiro-mundistas a chocalhar os heróicos desfeitos.

 

Hoje vou beber um copo com os meus alunos, mas a aula vai acabar à hora marcada.

 

… que, afinal, as suas teorias têm umas certas falhas ou inconseguimentos.

Procura externa prejudica crescimento homólogo pela primeira vez desde a troika

Aceleração das importações e desempenho mais fraco das exportações colocam economia mais próxima de antigo modelo de crescimento considerado pouco sustentável.

Claro que dirão que, afinal, as exportações não podem sustentar toda a economia e que agora é a confiança dos consumidores é que coiso e tal.

E assim será, a cada nova guinada da conjuntura que fingem compreender e dominar.

E assim

Página seguinte »