Quinta-feira, 5 de Junho, 2014


Chvrches, Lies

Exmos. Senhores Diretores de Escola/Agrupamento de Escolas

Exmos. Senhores Presidentes de CAP

Por solicitação do Senhor Presidente do Conselho Diretivo do IAVE, cumpre-me transmitir a informação infra:

“Caro(a) Diretor(a)

Estando a decorrer o processo de classificação da componente escrita do teste Key for Schools, processo que deverá estar terminado impreterivelmente até ao dia 15 de junho, constata-se que a participação dos professores certificados para o efeito e que integram o grupo de professores classificadores é profundamente desigual. Dos cerca de 1100 professores envolvidos no processo apenas cerca de 400 têm cumprido com regularidade e elevado sentido de responsabilidade as funções de classificação. Aliás, acresce, também com elevadíssima qualidade técnica, situação que cumpre enaltecer.

Num quadro de participação equitativa, estima-se que a classificação fique concluída na data indicada se diariamente cada professor dedicar apenas cerca de 20 minutos às tarefas de classificação. Porém, no contexto atual, a sobrecarga de trabalho que recai sobre os que têm assegurado a classificação será da ordem de 1 hora diária, situação que traduz uma evidente falta de equidade e que deixa transparecer falta de responsabilidade por parte dos classificadores que se têm mantido ausentes do processo, ou cuja participação tem sido pontual e sem expressão quantitativa, tendo em conta o número total e itens a classificar.

Por essa razão foi ontem enviado a todos os classificadores uma mensagem, diferenciada conforme o nível de participação, apelando, nuns casos à manutenção da sua colaboração e, noutros casos, a uma participação ativa no processo, também pelo respeito e essencial princípio de dever de solidariedade profissional dos ausentes face aos colegas que integram o grupo dos cerca de 400 classificadores acima referido.

Damos por este meio conhecimento da situação a todos os diretores, apelando para o seu envolvimento ativo na mobilização dos docentes das suas escolas certificados para a classificação (General Marking – GM) nesta ponta final do processo de classificação.

Relembramos que os professores classificadores tem acesso a formação gratuita e de elevada valia técnica pelo facto de terem aceite participar neste projeto, o que para as escolas onde lecionam, pela sua valorização profissional específica e pelos benefícios que daí poderão advir para as alunos, num futuro próximo, constitui também uma mais-valia que deve ser acarinhada.

No entanto, como não podemos pactuar com a situação de desigual envolvimento atrás referida, não sendo justificável premiá-la igual modo, este Instituto irá avaliar no final do processo o nível de participação dos classificadores, pelo que o acesso ao programa de formação atrás referido será concedido desde que cumpridos critérios mínimos de participação no processo de classificação, os quais terão como referência períodos de classificação concordantes com as dispensas previstas na alínea a) do n.º 2 do art.º 2.º do Despacho n.º 4168-B/2014, de 19 de março.

O Conselho Diretivo do IAVE”

Com os melhores cumprimentos,

José Alberto Moreira Duarte

Diretor-Geral dos Estabelecimentos Escolares

Exemplo de mensagem diferenciada de ontem:

Verificámos que ainda não deu início ao trabalho de classificação de itens (General Marking), na plataforma BIM.

Considerando que o processo de classificação deverá decorrer com a maior brevidade, dado que terá de ficar concluído até dia 15 de junho, contamos com a sua participação. Recordamos que, de acordo com o Artigo n.º 3 do Despacho n.º 4168-B/2014, de 19 de março, a classificação de itens é um dos deveres dos professores classificadores e que as tarefas a desenvolver correspondem às vinte horas a que respeita a dispensa da componente não letiva prevista na alínea a) do ponto 2 do Artigo 2.º desse Despacho.

Relembramos que ao garantir a tarefa de classificação, assegura o direito de usufruir do previsto no Art.º 4.º do Despacho referido, nomeadamente «acesso gratuito ao programa de formação a distância promovido pela Cambridge English Language Assessment, da Universidade de Cambridge, que inclui a frequência dos módulos 1, 2 e 3 que conferem a possibilidade de realização do Teaching Knowledge Test», que se traduzirá numa mais-valia para os docentes, para os alunos e, claro, para todo o sistema educativo.

Certos da sua colaboração, agradecemos, desde já, a sua disponibilidade para a tarefa de GM.

Com os melhores cumprimentos,

 

A Marta já resolveu aquele problema de um seguro que deu à costa?

 

 

O outro já está arrumadinho. Para onde irá depois a Maria Luís? Porque estas coisas merecem recompensa…

Depois das pensões, os diplomas relacionados com os salários serão aprovados “nos próximos dias”. O Governo quer que as peças-chave do Orçamento de 2015 sejam o quanto antes escrutinadas pelo Tribunal Constitucional para, em Setembro, saber com o que conta.

Se o TC aprovar, o recrutamento já foi bem feito, senhor presidente do PSD, por vezes PM?

 

Iavé estava pior do que estragado: “Um gajo a criar a cadeira e aqueles traidores a adorarem pufes? Qualquer dia dou-lhes com a matéria da Tábua da Norma Dois e ainda os apanho com anti-matéria na casa de banho!”

E gerou Lucicrat. Lá por detrás dos quintais – para ninguém ver.

“Irão ver!”

 

DGPGF

O pessoal do PSD alinhado com o actual desgoverno anda em roda livre no que diz respeito ao tom com que devem falar sobre o TC, pois deve ter faltado um memorando-à-relvas para meter a malta na ordem.

De dentro do desgoverno, Poiares Maduro ensaia uma abordagem semi-civilizada e adequada à sua imagem mais cosmopolita.

Das cercanias opinativas, Morais Sarmento destaca-se na RTP ao tentar dar alguma densidade à argumentação jurídica do PM (???), usando exemplos como o grego… o que é divertido.

Já na RTP Informação, um Hugo Soares a querer ganhar créditos para a progressão ba carreira foi sendo cilindrado por António Filipe à medida que ziguezagueava (afinal, Passos Coelho falou como presidente do PSD e não como PM) e tropeçava nos próprios argumentos (foi especialmente cruel o momento em que lhe foi lembrado que foi o PSD a acabar com o tal princípio da “aclaração” a que agora se pretende agarrar).

Aguardam-se desenvolvimentos e teorizações n’O Observador, a a face tida por informatival do Blasfémias e Insurgente.

Página seguinte »