Em especial quando se aplica a gente que, sem escrúpulos, de apropria do alheio para redistribuir por antigos e futuros patrões falidos e que, apesar de todos os anos lhes ser dito que isso não é legal, insiste em fazer o mesmo com outras roupagens.

Exp31Mai14

Expresso, 31 de Maio de 2014