A de alguns liberais perante um novo aumento de taxas e impostos é que isso acontece porque o Governo não teve coragem para cortar nas funções sociais do Estado e que o “Estado” engole tudo e mais alguma coisa e é preciso reformá-lo. Sendo que o “reformador” Portas apresentou um guião da treta, que já foi para a trituradora de tão inútil e mau que era.

É mentira, porque neste momento, o défice é quase todo devido aos juros da dívida, sendo que essa dívida foi contraída em larga escala para obras do regime de que muita gente do Centrão dos Negócios beneficiou e que ainda beneficia, de forma mais aberta ou encoberta.

A de alguns socráticos mais ou menos assumidos (ainda ontem ouvia, desvanecido, o Paulo Baldaia na TSF) é a de que sempre disseram que a fórmula de fazer recair a austeridade principalmente em cortes nos salários de funcionários públicos e nas pensões era errada.

É mentira, porque só passaram a dizer isso quando o Governo mudou e antes apoiavam tais cortes, com argumentos parecidos aos que agora criticam.