Este texto de Henrique Monteiro é verdadeiramente anedótico. Para ele o que interessa são os ordenados nonminais e não o que as pessoas recebem efectivamente.

Ou seja, no limite, se uma pessoa mantiver um ordenado nominal de 2000 euros mas receber apenas 1200 devido a impostos e cortes, perdeu menos salário do que alguém que recebe 2000, mas viu o valor nominal descer de 2200 para 2190.

Sofismas de quem se acha probo e acima de qualquer suspeita de delírio.