“Existe um apartheid educacional no Brasil”

Professor no ensino público, Leonardo França, 24 anos, rema contra a maré. Entre 2008 e 2012, e em cada ano, três mil professores abandonaram as escolas públicas estaduais em São Paulo. “Investir e acreditar na educação pública no Brasil é uma tarefa política”, diz. Acompanhámo-lo num dos primeiros dias na nova escola, numa periferia de São Paulo.