Terça-feira, 4 de Março, 2014


Que é quem poupa mais com este recurso ou est’outro sobredotado acha que as pessoas devem pagar para mexer no seu dinheiro, com o qual os bancos podem fazer quase tudo o que entendem, incluindo investimentos erráticos, estupidamente especulativos e quantas vezes desastrosos?

Vitor Bento propõe imposto sobre levantamentos no Multibanco para aumentar receitas do Estado e combater figa ao fisco

A parte da “figa” não me parece ser gralha… é mesmo uma figa que lhe fazem:

PubOn4MAr14

Hey Mom, What’s on Your Facebook? Comparing Facebook Disclosure and Privacy in Adolescents and Adults

(…)

Conclusion
Although there seems to be a popular perception that adolescents care less about their privacy than adults, it seems that there are more similarities than differences across age groups in the factors that predict information sharing on Facebook. It has been argued that Facebook is an environment that encourages people to share regardless of their privacy views (see Christofides et al., 2009), and an environment that encourages disclosure as a necessary feature of identity construction (Zhao, Grasmuck, & Martin, 2008). These findings indicate that both developmental and learning factors may be at play in the way that people make decisions as to whether to share their private information and when to use the privacy mechanisms that are available.

The Psychology of Choice: 5 Perspectives

O sistema da publicação na base da quantidade, com “revisão científica” a pedido é uma enorme mistificação. Já dei com o mesmo autor a publicar fundamentalmente a mesma coisa em 4 ou 4 lados – mas internacionais –  mudando apenas ligeiramente o título ou arranjando um co-autor de outro país que acrescenta uns parágrafos sobre a sua realidade, parágrafos esses retirados de um artigo que também publicou algures com um outro parceiro.

E tudo isto entra no circuito das referências globais, das citações cruzadas, do enorme negócio académico da mediocridade intelectual.

Revistas científicas publicaram 120 artigos gerados por computador

A denúncia partiu de um cientista francês, Cyril Labbé, que analisou esses artigos publicados nas revistas Springer e IEEE. Os artigos foram ou vão ser removidos.

A Nature diz que são mais de 120 artigos, publicados entre 2008 e 2013, gerados automaticamente por um programa chamado SCIgen, do MIT.

Este programa foi criado em 2005 para mostrar, precisamente, que algumas revistas académicas publicam estudos sem fundamento.

O investigador que fez a denúncia critica não só os pseudo-autores como quem faz a avaliação prévia.

Do artigo original da Nature:

How to create a nonsense paper

Labbé developed a way to automatically detect manuscripts composed by a piece of software called SCIgen, which randomly combines strings of words to produce fake computer-science papers. SCIgen was invented in 2005 by researchers at the Massachusetts Institute of Technology (MIT) in Cambridge to prove that conferences would accept meaningless papers — and, as they put it, “to maximize amusement” (see ‘Computer conference welcomes gobbledegook paper’). A related program generates random physics manuscript titles on the satirical website arXiv vs. snarXiv. SCIgen is free to download and use, and it is unclear how many people have done so, or for what purposes. SCIgen’s output has occasionally popped up at conferences, when researchers have submitted nonsense papers and then revealed the trick.

(…)

A long history of fakes

Labbé is no stranger to fake studies. In April 2010, he used SCIgen to generate 102 fake papers by a fictional author called Ike Antkare [see pdf]. Labbé showed how easy it was to add these fake papers to the Google Scholar database, boosting Ike Antkare’s h-index, a measure of published output, to 94 — at the time, making Antkare the world’s 21st most highly cited scientist. Last year, researchers at the University of Granada, Spain, added to Labbé’s work, boosting their own citation scores in Google Scholar by uploading six fake papers with long lists to their own previous work2.

Labbé says that the latest discovery is merely one symptom of a “spamming war started at the heart of science” in which researchers feel pressured to rush out papers to publish as much as possible.

There is a long history of journalists and researchers getting spoof papers accepted in conferences or by journals to reveal weaknesses in academic quality controls — from a fake paper published by physicist Alan Sokal of New York University in the journal Social Text in 1996, to a sting operation by US reporter John Bohannon published in Science in 2013, in which he got more than 150 open-access journals to accept a deliberately flawed study for publication.

… e fazem tudo em poucos fins de semana e o que não fizerem têm equivalência.

Quando o dinheiro não chega para continuar na faculdade

É mais um efeito da crise: há estudantes que se vêem obrigados a desistir da universidade, por falta de dinheiro para fazer face a todas as despesas, e outros que contraem créditos com garantia mútua para evitarem o abandono.

O que queriam? Proletas sem fim na Universidade? A aspirar acima das suas possibilidades?

Arranjem o cartão de uma jota, tornem-se activos militantes em actividades da treta, candidatem-se a uma AE e verão como o curso passa sem doer mesmo nada.

Ou então ainda chegam a governantes e gestores de sucesso antes de acabarem a mini-licenciatura bolonhesa.

JGFerreira

Quem?

Estes?

Américo Amorim e Belmiro de Azevedo sobem na lista da Forbes

O problema é quando a malta que atira bocas, subitamente parece transformar-se em algo mais. Há um evidente problema em malta que, assim como quem não quer a coisa, se parece imbuída de um qualquer espírito de infalibilidade. E a humildade para desaparecer por completo.

Mais um camilolourenço para a colecção de cromos.

Porque não diz ele que os “buracos” que foram sendo divulgados às pinguinhas já eram quase todos conhecidos antes das eleições de 2011? E que, na sua larga maioria, beneficiaram quase sempre os mesmos? E não “as pessoas”?

Uma coisa é ser frontal e desassombrado. Outra fazer chuveirinho de lama.

AlmadaForma

« Página anteriorPágina seguinte »