… caro senhor secretário de Estado adjunto, já que explicitou que são coisas diferentes.

O país tem tido a sorte de ter um primeiro-ministro profundamente realista e transparente em relação às dificuldades do país. E isso é diferente daquilo a que estávamos habituados. Nunca será demais recordar aquilo a que estávamos habituados. Esse contraste entre a instabilidade e a ilusão do passado e a estabilidade e o realismo do presente é fundamental. E ambos têm feito esse trabalho.

O discurso da verdade é politicamente eficaz?

Eu não falei em ‘discurso da verdade’. Falei em sermos prudentes, realistas, transparentes em relação às dificuldades. Uma das coisa que o PM disse foi que estes dois anos seriam muito difíceis e, de facto, verificou-se que foram.

Até os mais hábeis com as palavras tropeçam em si mesmos…