… que é da culpa/responsabilidade pelo “mal”.

São os sacaninhas dos professores que não fazem tudo o que é humanamente impossível para cilindrar a cultura de desigualdade que está instalada na sociedade pela mão, neste preciso momento, do PSD?

Eu diria de outro modo: o debate mais importante é acerca de quem assume ou não as suas verdadeiras responsabilidades pela reprodução das desigualdades e as potencia ao retirar apoios técnicos e humanos, ao facultar os materiais adequados fora de tempo e ao – em resumo – pensar que basta aos professores dar o trêzinho ou dézinho e fingir que tudo está bem.

Não será que as funções da escolas e dos professores não são já demasiado transbordantes?

Durante um seminário da plataforma Barómetro Social na Faculdade de Letras da Universidade do Porto num painel sobre “O futuro da educação em Portugal”, David Justino disse que o debate mais importante a fazer na área não é sobre a escolaridade obrigatória, mas sim sobre “a cultura de retenção que existe nas escolas portuguesas”.

“O grave é que, de há muitos anos, está instalada dentro das escolas uma cultura de retenção em que o ‘chumbo’ é uma coisa perfeitamente natural. Não é. É a negação da própria escola. Esse é que é o combate que temos de ter”, declarou David Justino, em resposta a uma pergunta do público acerca da eventual redução da escolaridade obrigatória.