Escola “entroikada”

(…)

Paulo Guinote, professor e autor do blogue “A Educação do meu Umbigo”, diz que na área da educação o Governo foi muito para além da “troika”: “Uma coisa é cortar um dedo, outra cortar parte do cérebro. O que fizemos foi cortar numa área crítica para o desenvolvimento”. São políticas levaram a um grande desânimo entre os professores, considera.

Para o futuro, o professor receia que a “escola se torne esquelética” e funcione a três velocidades. “A primeira com as escolas de elite, da Parque escolar; depois as escolas com contratos de autonomia; e em terceiro, as escolas dos bairros problemáticos, abandonadas em guetos sócio-educativos”.

Na versão áudio as declarações eram (naturalmente) mais extensas e “densas”. 🙂