Incapaz de admitir os seus erros, incomodado com o facto de nem todos o acharem um génio, dispara sobre os bichos-papões que, como são “genéricos”, servem de desculpa para tudo. Incluindo a incompetência dos acusadores.

O antigo ministro diz ainda que a reforma do Estado não avançou mais cedo porque tem custos para os interesses organizados que, segundo Vítor Gaspar, estão solidamente enraizados desde o Estado corporativo construído por Salazar.

Vítor Gaspar é um economista mediano, na esteira da mediania da sua escola ideológica. De História Política percebe muito pouco e o que percebe baseia-se em chavões. Ele não faz a mínima ideia do que era uma corporação no sentido salazarista do termo, que tinha como principal razão de ser a eliminação do conflito social e laboral.

Penso que já está velho para aprender conceitos novos. Novos para ele, entenda-se.