… é do negócio à maneira de um país do terceiro mundo (vamos a caminho, mas penso que ainda lá não chegámos) e/ou da Commonwealth.

Há uma grande diferença entre uma avaliação de qualidade das aprendizagens em Inglês e a dissimulada imposição do pagamento a alunos do Ensino Básico pelo certificado de algo que foram obrigados a fazer.

Key for Schools Portugal

O teste permite a certificação do nível de proficiência no domínio da língua inglesa pelo Cambridge English Language Assessment.

Foi para este tipo de coisa que o IAVE se tornou “autónomo” ou “independente”?

Eu sei que esta avaliação made in Cambridge seduz imensa gente mas o negócio em seu redor é injustificável por se servir de alunos (repito) do Ensino Básico como pretexto para vender produtos, desde a formação a professores aos ditos certificados, passando para materiais de apoio para todos eles.