Ministro da Educação defende “direito dos alunos a resistir”

Praxes violentas e atentatórias da dignidade “não são representativas do ensino português”, disse o ministro no final de reunião com as associações de estudantes.

Anúncios