E essa é a prática maior dos nossos governantes, actuais e pretéritos, praticamente sem excepção. Assim como de muitos dos que os serviram, agora ou antes, na comunicação social. O recurso ao artifício linguístico, ao detalhe técnico para dizer que não se mentiu quando se mentiu, de forma consciente e voluntária.

Um país que perdeu referências morais tem as praxes que merece

O que espero do novo projecto comunicacional de JMF? Que não perca essa referência maior… o respeito pelo rigor e pela verdade informativa, não o trocando por objectivos instrumentais de luta ideológica.

O valor das causas, mesmo se justifica olhares posicionados, não deve fazer tábua rasa de um mínimo de objectividade.