Sexta-feira, 20 de Dezembro, 2013


Anaquim, Se Eu Mandasse

É extraordinário que o Expresso considere os portugueses indecisos quanto à fiscalização do OE quando 75% a defendem e menos de 12% estão contra. A única “dúvida” é se é já ou depois.

… foi conseguir que gente como Valter Lemos regressasse das catacumbas do esquecimento para defender posições que até parecem razoáveis e já levam muitos laikes pelo feicebuque.

É difícil fazer pior.

Esta teoria é divertida e nem é descabida pois eu lembro-me bem de parte dos últimos posts do poli-Ramiro serem em exaltação da obra dos seus quase 40 anos de carreira artística.

 

… a PM ou governante?

Não vale dizer que são as eleições pois o que se trataria era de uma prova para políticos, com menos de 5 anos de exercício de cargos políticos, que os habilitasse a chegar a essa fase.

Até porque as eleições são para escolher deputados e não rosalinos ou mariasluíses

Prova comum em Direito Constitucional e Ética e prova específica na sua área de especialidade (?).

El panorama educativo español, retratado en ocho estudios

EXPLIQUE LÁ PORQUE É QUE A PROVA É SINISTRA

A discussão ia ficar-se pelo número de professores que fizeram ou não a muito polémica prova de avaliação, mas Nuno Crato tem especial habilidade para atear fogos sem precisar de combustível. As desconfianças manifestadas pelo ministro em relação às Escolas Superiores de Educação equivalem a um número de malabarismo: sem apresentar dados ou números (que existem, mas que ele ignorou), deixou no ar a suspeição de que os professores não estariam a ser bem formados de raiz o que, supõe-se, justificaria a existência das actuais avaliações. Azar de Crato, só um número ínfimo de cursos sucumbiram ao crivo da Agência para a Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (seis em mais de 300). Se o problema fosse esse, em lugar de criar novo e artificial “filtro” de qualidade, o ministro tinha a obrigação de corrigir, a tempo, os erros de que suspeita. Como não o fez nem sugeriu fazê-lo, é o ministro quem si desclassificado.

O problema – um dos muitos – do actual MEC é que não acredita nos mecanismos de avaliação do seu próprio ministério, seja a ADD para os professores, seja a A3Es para os cursos de formação.

Crato marca segunda chamada para Janeiro e viagem de finalistas para Abril

Que as exigências para dispensa do período probatório para quem entrou pela vinculação extraordinária sejam as mesmas do que para ser dispensado da PACC?

Nada contra as primeiras, tudo contra as segundas.

Antero128

(c) Antero Valério