Mas lá vou ser acusado de… quero lá saber…

O antigo ministro da Educação do Governo de Durão Barroso admite que houve alguma “perversidade” nos apoios dados ao ensino privado, porque “se celebraram contratos onde eles não eram necessários”. Justino lembra que esses contratos existem desde os anos 1980, daí que tenha ficado surpreendido com a polémica do apoio do Estado aos privados. Justino não parece favorável à ideia (que é do CDS) do cheque-ensino e refere que “fala-se do cheque ensino que é uma expressão completamente infeliz”.