a cada fruto que voa pela bordoada recita um versículo do acordo pornográfico,

 

e já não há prova?

P’ró lagar!