… as que têm conduzido a consistentes descidas de resultados dos alunos, enquanto Portugal vai conseguindo recuperar do seu profundo atraso?

O que têm a dizer acerca disto os defensores da “liberdade de escolha” que acenam com a Holanda, Suécia, Austrália, Nova Zelândia, etc, como exemplos maiores do modelo de gestão do sistema de ensino que querem para Portugal?

A “narrativa” não pode ir pelo lado da qualidade, pois não?

Prefere ir pelo lado do retrato estático, ignorando a tendência de médio prazo (2003-12).

E se, afinal, o que estamos habituados a ouvir não passar de uma ficção instrumental? De uma MENTIRA?

Mais grave… e se os “narradores” souberem que é mentira, mas já se estiverem nas tintas pois colocaram os seus homens nos lugares certos para olear as decisões?

PISA2012