Não há felicidade maior do que saber que Deus, o Deus supremo, sublime, transcendente, que fez o céu e a terra, se entregou à morte para me salvar. A mim pessoalmente. Nas nossas cidades e aldeias, nas casas e capelas de Portugal, em especial neste Ano da Fé que agora termina, tudo lembra este facto radical.

Este homem nunca envelhece. É um one-man-show, sempre de olhar brilhante.É o nosso Andy Kaufman, mas sem a parte depressiva.

Quando os markls entram em andropausa repetitiva, os niltons se deixam contratar pela renascença e o RAP se começa a levar demasiado a sério, o homem das neves é uma lufada de ar fresco na comédia nacional.