Colega Paulo Guinote

Venho por este meio dar conta da aflição em que estão centenas de docentes dos quadros que se encontram em horário zero, como é o meu caso.

Sou de um grupo de recrutamento que morreu por decisão administrativa e “burro-cratica”, pelo que, prevendo a possibilidade de mobilidade e de requalificação, requalifiquei-me sem auxílio e esmolas do governo.

Para espanto meu e de muitos docentes do quadro que queriam mudar de grupo, o Ministério abriu (e bem) um concurso externo extraordinário anterior ao concurso interno de vinculação (e mal). Ou seja, Nuno Crato e Casanova, ao vincularem pessoal (e bem) em grupos de recrutamento como o 910, é porque  não há ninguém nos quadros do estado que vá ficar em horário zero com habilitação para esses grupos, certo? Errado!

Acontece que neste momento há um gigabite de docentes em horário zero que, por serem horário zero não podem ser afetos a outros grupos de recrutamento para os quais possuem habilitação profissional. Dou como exemplo o meu caso, no agrupamento em que me encontro estou a dar apoio ao ensino especial e ao 1º Ciclo, porque tenho habilitação profissional para o ambos, foram contratados docentes para esses dois grupos, e eu continuo à espera de colocação com mais quatro colegas na minha situação numa escola qualquer.

A DGAE acha tudo muito normal, a DGREL não acha normal, mas também não faz nada, os sindicatos estão nem ai porque concordaram com a farsa do concurso extraordinário.

É de loucos,

A.