Recolha do Livresco:

  • 2002:

A Ordem do Professor

  • 2007a:
  • 2007b:
É nesse sentido que desejam criar uma Ordem dos Professores e mesmo Colégios de Especialidades dentro da Ordem?
É indispensável que exista um organismo, como uma Ordem, que proceda, não ao corporativismo e à defesa dos próprios interesses dos seus associados, mas a uma auto-regulação exigente da profissão de professor, no interesse de toda a sociedade, para que o exercício da profissão traduza um serviço de qualidade com garantias asseguradas e verificadas.Quer isso dizer que considera necessário controlar e avalizar quem exerce o ensino nas escolas do país?
O ensino tem sido invadido por aquilo a que chamo de “indiferenciados”, isto é, indivíduos que não possuem nem a vocação nem a preparação adequada para a docência. É urgente que exista um órgão – a Ordem, neste caso – que fiscalize e leve a cabo o reconhecimento da capacidade e da competência para ensinar de cada potencial professor. Apenas a certificação e a acreditação do professor para o ensino pode garantir a sua qualidade.
  • 2008a:

Com este estudo visavam-se dois objectivos essenciais: primeiro, ir ao encontro do universo da classe docente, auscultando-o, com o propósito de fixar um quadro fidedigno do seu “sentir profissional”; segundo, saber da relevância da criação de uma Ordem profissional de docentes.
Se o primeiro objectivo era importante para um conhecimento mais consistente das questões de natureza profissional que
preocupam os docentes, directamente conectadas com o acesso à profissão e com o seu exercício, já o segundo permitiria confirmar ou infirmar a justeza e a importância para a classe da prossecução do propósito que a Associação Nacional de Professores vinha afirmando há mais de vinte anos: a criação da Ordem dos Professores. (p. 6)

  • 2008b:

Nota À Imprensa Da Associação Nacional De Professores

  • 2008c:

“Está enraizada a ideia de facilidade e de ausência de rigor na Educação”