Pensavam que hoje era feriado? Nada disso.

Pub15Ago13

Público, 15 de Agosto de 2013

O MEC continua aquela máquina em matéria de não respeitar a vida das pessoas e dos profissionais que deveria saber acarinhar. Como antes, não passam de uma dependência do Ministério das Finanças fazendo jogos de números.

Continuo a afirmar que a engenharia estatísticas e profissional que está em desenvolvimento há anos na área da Educação é um dos fenómenos mais vergonhosos da desgovernança que atravessa os últimos governos, com meros retoques de cosmética.

Desde 2007 andaram a fazer tudo para limitar a progressão na carreira dos professores, a torna-la mais lenta, a congela-la e a proletarizar a docência em termos materiais.

Neste momento é a tentativa de a precarizar ao máximo, com truques de gestão curricular sem qualquer base pedagógica e com manobras absolutamente vergonhosas em matéria de rede escolar apenas com o objectivo de diminuir o maior número de professores que seja possível.

É mentira, repito sem problemas, é mentira que isto seja qualquer tipo de ajustamento às necessidades das escolas e muito menos dos alunos.

Há, pelo menos, 6.915 professores dos quadros com horário zero, na maioria de 1º ciclo, e que são candidatos ao concurso anual de colocação, revela o Ministério da Educação. No entanto, este número de professores sem turma atribuída(horário zero) ainda vai ser alterado havendo o risco de poder vir a aumentar. Isto porque, aos 6.915 horários zero que não consigam colocação a 31 de Agosto – dia em que são divulgadas as colocações para o próximo ano lectivo – ainda podem vir a ser somados os 11.412 docentes com vínculo de quadro de zona de pedagógica (QZP) que não fiquem colocados.