… a esta hora já deveríamos saber quantos professores (não falo dos qzp) foram obrigados a concorrer à mobilidade interna enquanto o MEC ainda anda a remendar a rede escolar pública.

O ano passado já se sabiam os números em Julho e deram brado, pelo que este ano devem ter optado pela opacidade dos calores de Agosto.

Nada disto me parece um processo rigoroso, sério e que respeite a dignidade de profissionais com muito mais tempo de trabalho e dedicação do que transeuntes pela desgovernança dos gabinetes e direcções-gerais.