Por exemplo, numa escola com 11 turmas de 7. ano criadas pelas escolas,  apenas seis foram homologadas pela DGEstE (Direção Geral dos Estabelecimentos  Escolares). Outro caso, em Alfândega da Fé, na região de Bragança, uma escola  terá recebido da DGEstE a indicação para constituir uma turma com 45 alunos,  em vez de os dividir em duas turmas de 20 e poucos. 

Não sei se o ministro considera isto um primeiro movimento ou outra coisa do género. Que é uma estupidez, lá isso é.