… e basta enunciar a independência para ela se materializar, pois a Lei é o Verbo e o Verbo cria a Realidade.

Fica aqui (DecLei102de2013) o acto de nascimento da agência independente de avaliação que apenas se esquece de explicar como serão recrutados os novos profissionais completamente independentes do instituto ou como, só por mero acto legislativo, os anteriores perdem o manto de mácula e se adquirem uma pureza nunca vista.

Como é costume, legisla-se a orgânica complexa, mas esquecem-se os procedimentos concretos.

O IAVE é independente e puro na sua missão, enquanto o GAVE aparentemente era dependente e duvidos.

Entretanto, quando é que podemos começar a contar o ano zero para construir uma qualquer série de dados sobre a avaliação que sirva para alguma coisa?