Domingo, 5 de Maio, 2013


cadeiraleao

Anúncios

Jamiroquai, Virtual Insanity

Antero45

(c) Antero Valério

Na RTP 1, o engenheiro Sócrates parece não se lembrar de quem terá sido o autor da mobilidade especial. Alguém que faça o favor de lhe recordar a cronologia da legislação em vigor.

A luta decretada está dentro dos valores médios para a estação.

Agora mesmo.

Notícia da edição em papel, com link só para assinantes:

Apenas 10% dos funcionários públicos ficarão imunes a despedimentos

(…)

“De acordo com a proposta do Governo a que o PÚBLICO teve acesso, os funcionários que não tiverem lugar nos serviços reestruturados ficarão numa situação de risco. Os trabalhadores admitidos depois de 2009 com CTFP verão o seu contrato cessar de imediato e serão despedidos com direito a uma indemnização (agora tinham a possibilidade de passar um ano na mobilidade especial). Os trabalhadores com nomeação definitiva e os nomeados que passaram para o CTFP serão colocados em situação de requalificação”

“Esta medida afecta transversalmente todas as carreiras, professores, médicos, técnicos superiores. Mas no caso dos professores serão também afectados os que entraram no quadro recentemente.

Em causa estarão os 603 professores contratados que em Abril entraram no quadro no âmbito de um processo de vinculação extraordinária, que arriscam perder o emprego já no próximo ano lectivo, que se inicia em Setembro, embora possam ainda ser salvaguardados deste destino através de uma alteração ao Estatuto da Carreira Docente, também já proposta pelo Governo, que garante a colocação em mobilidade especial de todos os professores do quadro que fiquem com horário zero. Tudo dependerá agora de qual das cláusulas se irá sobrepor a outra: a que aponta para o despedimentos dos que entraram no Estado depois de 2009, caso não tenham lugar, ou se esta do ECD”.

Página seguinte »