Isto não é a troika, é uma vendetta particular, de quem usa o aparelho de Estado com intuitos de eugenia social e profissional.

É indispensável reagir com intensidade semelhante, porque a guerra foi declarada e parece não ter quartel.

Salários caíram 16,1% no último trimestre de 2012

(…)

O INE afirma que a redução dos custos com os salários no quarto trimestre de 2012 resulta, por um lado, da queda de 17% dos custos médios com o trabalho, mas também da redução de 2,4% do número de horas efectivamente trabalhadas.

A queda nos custos de trabalho notou-se particularmente na Administração Pública e Defesa, em que caíram 28,4% só no último trimestre de 2012.  O sector da educação é o segundo mais afectado, sofrendo a segunda maior quebra, de 25% do custo do trabalho.

Só quatro das 18 áreas de trabalho consideradas pelo INE é que escaparam à redução nos custos de trabalho. Nas áreas ligadas às actividades financeiras, aos serviços administrativos, às actividades artísticas e ao sector do aquecimento e electricidade os custos com o trabalho aumentaram.

Excluindo a Administração Pública, os custos com o trabalho caíram apenas 5,7% e não os 14,9% globais. Fora ainda do sector do Estado, as maiores quedas no custo do trabalho sentiram-se no Norte e Centro, onde o índice do INE caiu 11,4% e 9%. Só o Alentejo escapou às quedas.