Cerca de 90 mil professores já registaram os dados biográficos na plataforma informática da Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE), um processo que está a substituir os registos em papel e que decorre sem dificuldades técnicas, segundo o ministério.

«No preenchimento do registo biográfico, os docentes têm de indicar os dados pessoais, a habilitação para a docência e o tempo de serviço, informações que são depois validadas pelas escolas, em função dos processos individuais», disse à agência Lusa fonte do Ministério da Educação, na sequência da queixa de uma professora, que pretendia inserir a data da especialização, sem conseguir.

Segundo o ministério, já foram carregados com sucesso cerca de 90 mil registos, estando a plataforma sempre aberta.«Posteriormente, serão disponibilizados outros campos para preenchimento de informações relacionadas com mestrados, doutoramentos e outras formações, assim como o exercício de cargos de gestão», acrescentou a mesma fonte.

Contactada pela Lusa, a Federação Nacional da Educação (FNE) afirmou que atendeu milhares de professores em dezembro, com várias dúvidas, não tendo conhecimento de problemas excecionais.

«Conseguimos resolver com a DGAE os problemas que surgiram. Houve um ou outro problema, mas resolvido», disse a dirigente Lucinda Manuela.

Aquilo do vínculo ficou resolvido?

E havia tanta pressa que as habilitações pré-bolonhesas tinham que ficar de fora?

No espírito de abertura e colaboração porque não se ofereceram para preencher os registos de todos os associados?

Já agora, quando conseguem levantar as calças depois do que se passou com o frete da vinculação extraordinária?