Um tipo não deve deixar o ano acabar com provocações guardadas. Esta agora dedica-se a todos os que ficaram excitados com a seguinte imagem, que anda a circular pelo FBook a partir de uma primeira página do diário As Beiras de 29/30 de Dezembro:

PassosSala

Ao que parece choca algumas pessoas que o PM ande a ler um bom livro de História, da autoria do irmão do seu chefe de gabinete.*

* Afinal dizem-me que é o livro A Diplomacia de Salazar” de Bernando Futscher Pereira, o que não inviabiliza necessariamente a análise pois até o preço é o mesmo.

Não percebo bem o alarido.

Se é por causa do tema, se por causa do autor, se por outra razão.

A mim só me chocam os 30 euros que o livro ainda custa e me desaconselhou a aquisição, pois do autor acabei por comprar o bem mais pequeno sobre Afonso Costa por questões de trabalho.

Tivesse eu subsídio e com certeza o teria comprado naquela dos 4 por 3 da FNAC.

Mas do que folheei e consultei recentemente numa biblioteca, acho um excelente livro, que deveria ser lido por muita gente, com vantagem sobre os escritos de outros historiadores mais mediáticos que abordaram o Estado Novo.

Não sei se o choque de certas consciências seria tão grande se o livro em causa fosse este, que é bem menos documentado e mais ideológico. Assim como acho infinitamente melhor do que qualquer dos textos panfletários de Rui Ramos sobre o mesmo assunto.

O nosso PM está a ler um bom livro de História e eu só lamento que certamente o dele foi oferecido e eu terei de esperar por uma daquelas promoções interessantes, do tipo Black Friday para o comprar.

Até porque tenho já a biografia do Ian kershaw sobre o Hitler, a do Jean Jacques Marie sobre o Estaline e penso que consegui a edição de bolso da edição francesa do Paul Preston sobre o Franco, embora não saiba onde a arrumei.

E tenho a biografia do Fidel pelo Serge Raffy, comprada em promoção. E dois dos volumes do Pacheco Pereira sobre o Álvaro Cunhal. E umas quantas biografias publicadas pela Assembleia da República, incluindo a do António José de Almeida e a do Magalhães Lima.

Tudo boas leituras. Tudo comprado, pois não conheço os autores, de modo a cravá-los.

Não sei é se isso faz de mim um ditador, comunista ou maçon potencial.