… na versão que a secretária de Estado está a dar na SICN parece-me uma coisa de uma dimensão paralela.

Então ao fim destes anos todos de contactos, faltavam dois ou três papéis, o homem de negócios não os arranjou e o negócio caiu? E já podem “olhar para a empresa” e “ver o que é possível fazer para a tornar mais eficiente”?

Mas não deveria ter sido esse o Plano A?

OK… e quando contam, pelo menos, metade da verdade?