Segunda-feira, 3 de Dezembro, 2012


Pink Floyd, Money

Não há uma krönica por aí?

O “jornalismo” anda com saudades.

… a postagem da reportagem da TVI de hoje. Está em processamento e amanhã haverá mais tempo e cabeça para levantar algumas questões sobre o passado e o futuro desta e de outras situações como esta que muito querem encobrir. Em especial porque sabem que se passa. Mas acreditam sempre que pode passar impune por causa das conexões estabelecidas.

Era bom que se fosse mais longe e se analisasse exactamente o que certas figuras que passaram de raspão, ou nem sequer foram aqui tratadas por não estarem ligadas a este grupo, fizeram e planeiam fazer à conta da dita refundação.

A ver se isto não é mais um caso relvas em que se finge que nada se passa. Ou como as sucessivas declarações disparatadas do PM, que depois resmunga em Cabo Verde que nunca disse exactamente seja o que for.

Vão ficando outras coisas…

Enquanto a TVI24 mostrava a reportagem que se sabe, a SICN entrevistava Maria de Lurdes Rodrigues. Mas, mas, mas…

… que já foi anunciada a abrir o Jornal da Noite da TVI, embora seja divulgada só daqui a um bocadito…

Desconheço o conteúdo específico, mas constou-me que será muito difícil ao Governo e ao MEC, em particular, assobiarem para o lado e fingirem que…

Em relação à obrigatoriedade da observação de aulas para a avaliação dos professores nos 2º e 4º escalões há duas leituras, porque a leizinha é daquelas escritas com os cotovelos e dois neurónios em repouso.

  • Há quem interprete que todos os docentes dos 2º e 4º escalões devem ter aulas assistidas, mesmo que já tenham passado pelo processo antes, apenas podendo a posteriori recuperar a avaliação anterior, caso a considerem mais favorável.
  • Há quem interprete que os docentes que já tiveram aulas assistidas, caso não queiram melhorar a sua avaliação, podem desde já dispensar a tal nova observação de aulas.

Ora bem… eu proponho uma coisa, que recupero do que já propus do primeiro ciclo de avaliação, perante este cenário: que toda a gente nestes escalões requeira as aulas assistidas, mesmo sem precisar, e não se chateie muito com o assunto, pois poderá sempre recuperar a avaliação já feita.

E assim serão necessários mais formadores nas bolsas, há mais hipóteses de incompatibilidades e impossibilidades, assim como escusas bem legítimas, a coisa complica-se e, em boa verdade, assume-se como palhaçada o que palhaçada é.

Já sei que não devo ter sorte com a ideia, mas…

O raio dos portugueses são uma cambada… vivem acima das possibilidades, não querem pagar impostos e apenas receber benefícios, resistem a emigrar e ainda por cima não entendem esse transparente orador que é o nosso PM, virtuoso enunciador de límpidas verdades que toda a gente (não) percebe.

Carta de José Carlos da Maia a João Chagas em 3 de Julho de 1911, quando também andavam a tentar refundar a Pátria:

Os homens que a constituem [à Câmara dos Deputados] não têm politicamente individualidade definida. Caminham ao acaso seguindo orientações contraditorias que só podem ser explicadas por ambição pessoal.

Nota-se em toda esta gente a ânsia de querer ser. Daí a mobilidade de opiniões defendidas sempre com igual calor e todas apoiadas em argumentos de sólida contextura.

Ser Ministro, eis a ambição suprema, o ideal a atingir. Sacrificar tudo a esta ambição efémera, tudo até a própria dignidade. (Correspondência Literária e Política com João Chagas, Lisboa; Empresa Nacional de Publicidade, 1957, vol I, p. 218)

A acrescentar… apenas que agora o ideal a atingir é um lugar na administração de uma empresa privada, se possível privatizada ou com quem se negociou durante o próprio mandato como ministro ou secretário de Estado, para que as rendas fiquem asseguradas…

 

 

Um país de ursinhos.

Sound bites de Passos Coelho

Atribuição de horários a professores contratados – Na primeira pessoa.

Resposta chegada hoje a uma exposição feita por uma professora e apresentada à IGEC no dia 9 de Novembro:

Exm.ª Senhora

Em resposta às suas exposições/queixas, venho informar V.ª Ex.ª de que, após intervenções inspetivas realizadas pela IGEC, nos Agrupamentos de Escolas Dr. Azevedo Neves, Alfornelos, Professor Agostinho da Silva, Bairro Padre Cruz e na Escola Secundária Quinta do Marquês, foi já determinada pela tutela a anulação da contratação de escola que se apurou ser ilegal, devendo as Direções das mesmas adotar os procedimentos necessários à sua repetição.

No Agrupamento de Escolas Baixa-Chiado foi realizada uma intervenção inspetiva que ainda não foi decidida.

O Agrupamento de Escolas de Carnaxide não foi intervencionado por esta IGEC, contudo, já foram emitidas orientações às Escolas pela DGAE, para procederem à repetição dos procedimentos concursais que estejam feridos de ilegalidade.

Com os melhores cumprimentos

O Diretor de Serviços Jurídicos

 

Alexandre Esteves Pereira

Passos Coelho criou ONG financiada apenas pela Tecnoforma

A ideia foi do patrão da empresa de que Passos foi administrador. Organização teve também Marques Mendes, Ângelo Correia e Vasco Rato como fundadores.

Reparem como é rica em analistas políticos e mediáticos esta forma de empreendedorismo.É uma outra forma de ancoragem.

Está tudo na mesma, ou talvez pior, porque a tramitação de todo o procedimento parte do princípio que existem meios para que tudo aconteça em tempo útil.

Não, não existem meios humanos, em especial fora da Escola, para que as coisas sejam eficazes e, enquanto o tempo passa, são os professores que arcam com as ameaças e mesmo mais do que isso.

Mais um rotundo falhanço do actual MEC que colocou cá fora uma lei muito bonitinha nas letras mas que poucos praticam, a começar por directores que activamente desincentivam o recurso às medidas mais gravosas, para evitar chatices.

O MEC enunciou um reforço da autoridade… mas a verdade é que o processo se enreda em si mesmo e na ganga do coitadinhismo ou da pura miúfa.

Até porque o aparato em redor nada mudou… e quem ainda acaba por se lixar é quem tenta ser rigoroso.

E não me venham dizer que a culpa é das escolas públicas e que nas privadas não há nada disto. Não há nada disto porque a esmagadora maioria destes alunos fica à porta, do lado de fora. E tanto mais quanto sejam escolas a jogar para os rankings e as clientelas mais notáveis, que lá querem os seus rebentos junto com a prole das classes perigosas.

Só uma correcção: a falta de educação e civismo vai muito para além dos beneficiários do RSI.

CM3Dez12

Correio da Manhã, 3 de Dezembro de 2012

Eram tempos em que tinha imaginação suficiente para arranjar desculpas menos esfarrapadas do que esta.

Ou, para ser sincero, para deixar que lhe arranjassem desculpas deste calibre.

A verdade é que o PM ignora quase tudo sobre Educação (sabe que existem escolas e sabe que há umas em que se paga para não se ter chatices nenhumas, que são as boas) e depende da informação de um leque de jovens (e menos jovens) colaboradores profundamente preconceituosos, quando não apenas ignorante e imbecis.

E pronto, fica dito assim, que é para não existirem dúvidas ou necessidades de aclaramento do que penso sobre a matéria.

(note-se que deixei de fora qualquer alusão a ligações a grupos com interesses em… porque eu sou um crente na honestidade inata de cada um, apenas sou descrente nas capacidades por adquirir…)

DN3Dez12

Diário de Notícias, 3 de Dezembro de 2012

Torgal

goulaoddeficiencia20122

(c) Francisco Goulão

Vou alterar-me.

Página seguinte »