Embalados pelo gabinete do PM, certos interesses agitam-se…

Ensino Particular quer discutir modelos educativos com o Governo

Não se percebe bem se a coisa é para passar ao lado do MEC… se é negociação directa com os assessores amigos, os tais que…

No fundo foi criada uma realidade virtual – os cenários apresentados existem há muito e permanecem no imaginário daque4les que vivem de olhos nos mais de 4 mil milhões do Orçamento do MEC – e agora alguns actores mexem-se como se a realidade tivesse mudado.

A verdade é que apenas foi feita uma encenação…

Em declarações à agência Lusa, o director executivo da AEEP, Rodrigo Queiroz e Melo, afirmou que os agentes privados ainda não foram chamados a negociar estas matérias com o Governo, mas manifestou-se favorável a qualquer uma das três hipóteses ou mesmo à adoçam [sic] de todas, em simultâneo.

Resta saber se Nuno Crato é conivente ou se anda a ser ultrapassado pela direita baixa.

Atendendo à recente desautorização do PM, prognósticos só no final do jogo.

Até porque há mais novidades em carteira.

Que não dependem apenas dos novos amigos do Pedro, os tais de duplo apelido e ascendência notável que se vão distendendo e até lançando teorias sem qualquer cabimento.

E ainda há aquela coisa dos estudos que se apresentam aqui e ali para efeitos de apoio. E depois acabam nos gabinetes. É confuso, mas agora não me perguntem os específicos que não os posso revelar.

Apenas os vou observando… os de’s e os e’s.