Quarta-feira, 21 de Novembro, 2012


Eric Clapton, Walkin’ Blues

Eles estarem de volta… a insistir… a Norte, por exemplo… por bandas do berço que se cuidem…

… percebeu que se tem professores em horário zero e coisas assim, fica praticamente a custo zero incorporar mais uns milhares de alunos na rede pública, poupando uns milhões em contratos.

Podemos discordar mas… afinal… os contribuintes entenderão!

E por muitas cortinas de fumo e diversão que se arranjem…

… e deixa-me in the mood para chatear a JP Sócrates e a uma unha anémica de usar o vernáculo mais acutilante do meu léxico.

Na escola aqui da petiza os senhores da dita cuja empresa decidiram apresentar um projecto designado “Ensaio de Boas Práticas”.

Enviaram um pedido, com a colaboração do agrupamento, para fazerem testes nos Magalhães da miudagem, que coiso e tal, depois deixavam-nos usar outros equipamentos, que não estragavam nada, que não recolhiam dados e mais não sei o quê.

Estúpido que sou, não acedi ao meu instinto de os ir mandar catar macacos para o Botswana. E assinei a porcaria da autorização.

O resultado foi a petiza chegar a casa com o computador neste estado, em loop que só não é infinito porque… o pai até se desenrasca…

Obrigado, pázinhos! Provaram que sou mesmo muito estúpido em acreditar que não fariam porcaria.

Educação: Escolas Católicas contestam possíveis cortes nos apoios do Estado

Estudo realizado pelo Ministério da Educação e Ciência levou Governo a admitir reavaliar o «nível de financiamento» atualmente contratualizado.

TVI – Cada turma do Ensino básico na rede pública é mais barata do que no ensino particular

SIC- O estado está a pagar mais por turma no ensino público do que nas escolas privadas, a excepção é o ensino básico onde as turmas saem mais baratas na rede pública (sendo que a excepção equivale a dois terços das turmas…)

… é que as turmas do Ensino Básico são perto de 70% daquelas que têm contrato de associação.

O Correio da Manhã apurou um número próximo das 1300. Multiplicar isso pelo diferencial de 15.000 euros dá muito dinheiro, em especial se pensarmos que os cálculos do MEC entram em conta com 13 meses de salário e este ano só recebemos 12.

Atendendo a que muitas empresas de Educação limitaram os rendimentos de muitos dos seus professores, alegando as dificuldades da crise e tal, o lucro durante este ano deve ter sido interessante em alguns nichos do mercado educativo.

Reparem que eu escrevi alguns, pois há gente séria em todo o lado.

Página seguinte »