Segunda-feira, 19 de Novembro, 2012


Arcade Fire, We Used to Wait

… não me sinto particularmente gracioso.

porque a lei não me permite ter ZZZ.

XXX!

É clicar na ligação para aceder aos quadros. Faltam as outras DRE.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA
Secretaria-Geral
Listagem n.º 103/2012
Em cumprimento do disposto na Lei n.º 26/94, de 19 de agosto, publica -se a listagem das transferências efetuadas no 1.º semestre de 2012 pela Direção -Geral do Ensino Superior e pela Direção Regional de
Educação do Centro, do Ministério da Educação e Ciência.
23 de outubro de 2012. — O Secretário -Geral do Ministério, Raúl Capaz Coelho.

Fui jantar fora. Sim, jantei.

Vítor Gaspar apresentou hoje um cenário macroeconómico até 2016. Conheça aqui as estimativas.

Só falta mesmo começar a fazer previsões meteorológicas…

… mas parece que foi assumida a mobilidade especial (ou coisa parecida à bolsa dos disponíveis, retomando a política de Sócrates neste particular) para todos os corpos da função pública.

Nada que eu não tivesse antecipado quanto ao que adivinho virem a ser empurrões para os professores mais caros (e não só…) saírem da carreira…

Resta saber se isso significa uma mobilidade dentro de cada ministério se acabaremos empurrados para os centros de emprego do IEFP, já que para os Politécnicos não deve ser possível…

Quanto ao resto, os cortes brutais mantêm-se na agenda, enquanto as previsões macro-económicas voltam a ser corrigidas em sentido negativo.

—–Original Message—–
From: Gab Comunicação Ministério da Educação e Ciência [mailto:gab.com@mec.gov.pt]
Sent: 19 November 2012 (…)
Subject: Ministério da Educação e Ciência – Nota de Agenda

Nota de AgendaO Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar, Dr. João Casanova de Almeida, convida a comunicação social para uma conferência de imprensa a realizar amanhã, 20 de novembro, para apresentação do Estudo do Custo por Aluno. Avisa-se também que pela manhã o documento será enviado aos jornalistas para consulta, com embargo até ao final da conferência de imprensa.

Local: Palácio das Laranjeiras
Hora: 17h30

Lisboa, 19 de novembro de 2012
Gabinete de Comunicação do Ministério da Educação e Ciência

La distribución del liderazgo como estrategia de mejoramiento institucional

En éste artículo se presenta el concepto de liderazgo distribuido como una alternativa a los modelos jerárquicos de liderazgo. Según éste concepto, el liderazgo es una propiedad de los grupos y organizaciones y no un rasgo de la personalidad. Tradicionalmente, la investigación se ha concentrado en identifi car los rasgos de la personalidad y las actuaciones ideales de los líderes, desconociendo que el liderazgo también se manifi esta de manera colectiva, como un fenómeno multi-nivel. Se ofrece un recorrido por distintos modelos de liderazgo escolar y se introduce una reciente alternativa a la concepción individualista del liderazgo, denominada liderazgo distribuido. Se argumenta que el cambio y el mejoramiento institucional en la escuela contemporánea dependen en gran medida de la participación colectiva en la toma de decisiones así como de la existencia del liderazgo docente en niveles distintos a la dirección.

 

(c) Antero Valério

… da pseudo-vinculação ou concurso extraordinário?

A FNE, Fenprof, SEPLEU e SINAPE não o fizeram e agora a Pró-Ordem enviou-me o documento – declaração de apreciação global – em que também se desvincula de uma assinatura.

Quantos restam?

Que aparece o tal estudo?

O que foi tão ou mais martelado do que as contas para o défice deste ano?

Pessoalmente, gostaria de ver o seu coordenador a explicar a metodologia e os passos do processo.

A maioria PSD/CDS-PP anunciou ontem as alterações ao Orçamento do Estado que permitiram reduzir os cortes no Superior em 42 milhões de euros e ‘fazer as pazes’ com os reitores.

Metade do alívio nos cortes foi conseguido através de verbas das Finanças e o restante de fundos que estavam destinados ao Ensino Básico e Secundário. “A nossa ideia é transferir verbas internas do Ministério da Educação, do Ensino Básico e Secundário, que estavam previstas e que não se vão executar, provavelmente”, disse o deputado do CDS Miguel Seufert, sem precisar de que verbas se tratam.

Vou a ser sincero… há poucas coisas que podem demonstrar pior respeito pela Educação do que colocar aquele par de deputados da Nação a anunciar medidas sobre a Educação, como se qualquer deles (Miguel Seufert e Nilza de Sena) percebessem algo de relevante sobre o sector, apesar de certas aquisições recentes para a assessoria deste ou daquele grupo parlamentar.

A estátua está ali junto ao parque antigo da cidade… e resistiu, quase intocada, aos excessos de 74-75.

O governo quer relançar a industrialização. Como se faz isso?

Pretendemos lançar uma estratégia de fomento industrial entre 2013 e 2020. Se queremos voltar a apostar na indústria e nos nossos sectores produtivos é importante a agenda de reformas estruturais que está no terreno. Em Portugal e na Europa viveu-se nas últimas décadas na ilusão de que podíamos deixar as nossas empresas deslocalizar. Vivemos uma crise sem precedentes que se baseia na perda de competitividade, conjugada com um nível de endividamento insustentável. É fundamental invertermos o ciclo de tendência de desindustrialização de Portugal e da Europa.

Tanta incompetência! De todos os lados!

Seria difícil imaginar num tempo em que tantos estudos por cá andam, em que tanta gente estudar conseguiu, ver-se tanta incompetência na gestão da “coisa pública”.

Se já deu para entender que antes/atrás muitos disparates foram feitos, também já deu para entender que o momento é muito difícil e ainda mais complicado, e que se não tivermos ajuda do exterior, rebentamos de vez. Não dá para entender como a passos largos se caminha para o mesmo estoiro, para a falência abrupta do País, por incompetências!

Incompetências da Governação, mas também de todas as Oposições e até de Movimentos que deveriam apostar na defesa dos trabalhadores, dos reformados, dos pensionistas, dos menos protegidos. E até dos com dinheiro e com posses!

Se já entendemos que como antes/ atrás foi feito não resulta, tem que se fazer diferente. Sendo que diferente é melhor. Sendo que diferente não é esmagar tudo e todos, e depois de tudo desfeito dar provas à Sra. Merkel que somos tão bons alunos.

Temos que ter capacidade e competência, antes de mais para ser humanos, para entender que matar velhos por não os ajudar, colocar crianças a passar mal e adultos à beira do abismo, é loucura, ou incompetência.

Por outro lado não haver quem muito simplisticamente, quase com um quadro preto de escola antiga e um giz nos venha explicar – mas sabendo, – com capacidade, como estamos, o que podemos ou não faze e como o devemos ter que fazer. E explicar tudo também com firmeza, coragem e serenidade à Sra. Merkel.

Por outro lado da parte de quem se acha, ainda, representante dos trabalhadores, não pode haver a incompetência de explorar as fragilidades que todos estamos a sentir, com um presente sem futuro, para fazer mais do mesmo que já sabemos não resulta.

Uns acham que fazer o que vem nuns quaisquer livros de um qualquer suposto entendido e enfiá-los à força no País e nas Pessoas, resulta, nem que seja para tudo esmagar. Outros acham que umas ideias vindas de tempos de “capital e trabalho em luta” resultam, num mundo globalizado e totalmente diverso.

Sejamos capazes, competentes, humanos, façamos melhor, façamos com cuidado, competência, aptidão, conhecimentos.

Saibamos ser minimamente competentes para criar valores, que não só dinheiro, mas também educação, respeito, bom relacionamento interpessoal.

Sejamos capazes de reconstruir o País, neste seculo XXI sem utopias, mas sem más-criações e deixando de pensar que somos – são – sempre os donos e os senhores das – suas – únicas razoes, que têm tudo fazer para não perder o lugar, a visibilidade, o poder.

Propostas capazes, positivas, sem berros se sem insultos, exigem-se, de quem é governação, oposição, sindicatos, patrões. O resto é destruir mais do que já está. É matar mais depressa velhos – sendo que há que o deseje “ardentemente” – , é colocar crianças à fome, é pôr adultos em desespero.

Lutemos com humanismo por mais competência, educação, valores, respeito, obra de facto feita!

Augusto Küttner de Magalhães

Novembro de 2012

Porque de manhã é que se arranca com a semana.